Limpeza Preditiva Em Trocadores De Calor

Limpeza Preditiva Em Trocadores De Calor
Incrustação ocorre quando um fluido passa por um trocador de calor, e as impurezas no fluido precipitam-se sobre a superfície dos tubos.
A precipitação destas impurezas pode ser causada por:
Uso frequente do trocador de calor
Ausência de limpeza regular do trocador de calor
Redução da velocidade dos fluidos movendo-se através do trocador de calor
Superdimensionamento do trocador de calor
Efeitos de incrustação são mais abundantes nos tubos frios dos trocadores de calor que em tubos quentes. Isto é causado porque impurezas são menos facilmente dissolvidas num fluido frio. Isto é porque, para a maioria das substâncias, a solubilidade aumenta quando a temperatura aumenta. Uma notável exceção é água dura e seus sais de metais alcalinos-terrosos onde o oposto é verdadeiro.
A incrustação aumenta a área da seção transversal para o calor ser transferido e causa um aumento na resistência à transferência de calor através do trocador de calor. Isto é porque a condutividade térmica da camade de incrustação é baixa.** Isto reduz o coeficiente de transferência térmica global e a eficiência do trocador de calor. Ocorrendo isto, pode conduzir a um aumento nos custos de bombeamento e manutenção.**
A abordagem convencional para o controle de incrustação combina a aplicação “cega” de biocidas e produtos químicos antitártaro com testes de laboratório. Isto frequentemente resulta em uso excessivo de produtos químicos com o inerente efeito colateral de acelerar o sistema de corrosão e aumentar os resíduos tóxicos - sem mencionar o incremento de custos de tratamentos desnecessários.
No entanto, existem soluções para monitoramento contínuo incrustantes em ambientes líquidos, tais como o sensor Neosens FS, medindo tanto a espessura de incrustação e temperatura, permitindo otimizar a utilização de produtos químicos e controlar a eficiência de limpeza.
O superdimensionamento dos trocadores causa o aumento da incrustação pela diminuição do arraste tanto de sólidos particulados quanto de impurezas que se solidificam e se precipitam ao longo do trocador, não sendo removidos continuamente pela ação do próprio movimento em suficiente velocidade do fluido.
Realizando uma manutenção preditiva " limpeza" no trocador de calor com antecedência a sua incrustação, pode-se poupar até 12 meses de uso do trocador de calor ou até mesmo evitar uma retubagem por alto índice de corrosão.
Artigo postado em: 20/06/2013
Av. Dona Ruyce Ferraz Alvim, 170 – Vila Nogueira - Diadema - São Paulo - CEP: 09951-002
Telefone: +55 11 4071-3233
® JPX Indústria e Comércio de Equipamentos Industriais Ltda
® Site, Sistema e Otimização desenvolvidos por MK8 Soluções de Internet